sábado, 16 de setembro de 2017

PERDÃO

Quando Caim matou a Abel, O Senhor lhe condenou a vagar na terra, e decretou que qualquer que matasse Caim seria castigado sete vezes mais. 

Mais na frente, um de seus filhos, Lameque toma para si uma conclusão de que, se qualquer que matasse a Caim seria castigado sete vezes, logo que ele tinha matado dois homens, seu castigo seria setenta vezes sete. 

Lendo a passagem de Gênesis 4, me parece que Lameque esta se consumindo de arrependimento; ele matou dois, e sente no seu coração: o que fiz “É demais para que seja perdoado!”

Certa vez Pedro, quando estava ouvindo os ensinamentos de Jesus Cristo a respeito de que, “se seu irmão estiver errado conta tí” é para você repreendê-lo, e se não lhe dando ouvido, você traz uma ou duas testemunhas para falar com seu irmão; ainda assim não dando ouvido, fala a Igreja... 

Enquanto Jesus falava na tentativa de localizar o erro para aja reparação, Pedro foi direto ao ponto, e fala do perdão: Senhor até quantas vezes devemos perdoar a nosso irmão? Até sete vezes? Trazendo de volta aquele castigo de quem fosse matar a Caim, que sete vezes seria castigado. 

Jesus, porém foi além: Não te digo sete vezes Pedro, mas setenta vezes sete; fazendo alusão ao que foi feito por Lameque lá em Gênesis 4.

É Jesus Cristo respondendo a pergunta de Pedro e de Lameque que ficou sem resposta no Antigo Testamento.

Será tão grave o meu pecado que não tem perdão? Jesus responde que tem perdão, sim, para quem quiser ser perdoado; basta se arrepender, e sinceramente decidir mudar de vida, Jesus Cristo estará sempre pronto para perdoar.

Jesus oferece o perdão para o mundo inteiro desde Caim até o ultimo homem que se arrepender dos seus atos.

Já conheci muitas pessoas que julgam seus pecados serem imperdoáveis, pensam que não têem mais chances com Deus por causa das suas grandes transgressões.

Jesus Cristo, no dizer justamente o contrário: “eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”. Ele compara o pecador a alguém que está doente e, por isso, precisa de médico para ser curado. Jesus Cristo é o médico enviado pelo Pai para nos devolver a saúde, partindo do princípio de que todos nós precisamos do remédio da misericórdia, pois somos doentes pelo pecado. 

Não importa a situação em que nos encontremos, Jesus nos chama à segui-Lo abandonado o pecado para viver na graça como filhos de Deus.

Para Jesus, não importa o nosso passado, o que vale é a resposta que damos ao seu chamado, afinal aceitar o chamado Dele, significa estar disposto a mudar de vida, e claro perdoar a nossos irmãos, pois a condição para recebermos a misericórdia de Deus é nos reconhecermos pecadores e perdoarmos uns aos outros de coração.

Todos nós podemos nos tornar médicos para alguém, médicos de alma, basta amá-lo concretamente, pois o amor cura, motiva, devolve a vida, o amor salva!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

NOSSA SENHORA DAS DORES

Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 100 anos da Aparição de Nossa Senhora em Fátima. É um momento muito marcante para os devotos de Maria que se inspirando nesses grandes acontecimentos, cultivam e aprofundam o culto Àquela que no mistério salvífico de Jesus sempre foi presença confortadora na vida de seus filhos e filhas.

As dores de Maria:

• 1ª dor: Jesus é apresentado no Templo, onde está presente Simeão, que alerta sobre o que espera o pequeno Menino.
• Hoje: as mães que sofrem com a discriminação desmedida sobre seus filhos, sejam pela cor, deficiências. Quantas dores na vida do povo, com o desemprego, corrupção, falta de moradia, etc.

• 2ª dor: Quando José é avisado em sonho que Herodes quer matar o menino e devem fugir para o Egito.
• Hoje: o sentimento materno, medo por seu filho (a) sendo perseguido (a). Na Campanha da Fraternidade/2014, pudemos experimentar a dor de quantas mães que perderam seus filhos no Tráfico Humano e no tráfico de drogas.

• 3ª dor: Desaparecimento de Jesus e seu aparecimento no Templo em meio aos Doutores da lei.
• Hoje: quantas pessoas se perdem, perdem seus filhos, perdem o sentido da vida. Que desespero vivem até o “reencontro”.

• 4ª dor: Doloroso encontro com seu Filho no Caminho do calvário.
• Hoje: discutimos o significado do encontro; quantos conflitos vividos pelas pessoas nas intermináveis dificuldades de relações, pais e filhos, esposos, comunidades.

• 5ª dor: A crucifixão de Jesus e Maria ao pé da cruz.
• Hoje: quantas mães e pais se sentem impotentes, diante das situações que não dependem apenas deles; um exemplo seria quando chegam aos leitos de hospitais e veem seus filhos ali tão frágeis e precisam se manter firmes diante dessa situação. Quanta dor vive nosso povo nas longas filas do INSS, vendo as pessoas morrerem à míngua, sem atendimento adequado.

• 6ª dor: Quando Jesus é descido da cruz, morto e transpassado pela lança
• Hoje: a frieza diante morte e total descaso com a vida. Quantas vidas inocentes, embaladas e envolvida pelo crime organizado, pelas drogas e pela impunidade.

• 7ª dor: Maria sepultando Jesus.
• Hoje: como é para uma mãe sepultar seu filho, é uma dor incomensurável; saudade que machuca, lembrança que jamais vai embora .

MARIA ACOLHE NA SUA DOR A DORES DA HUMANIDADE.

Há uma confiança extrema na Mãe de Jesus. Maria, Nossa Senhora, a Mãezinha do céu, nos momentos mais difíceis.

Assim vão surgindo, ao longo da história, os mais diferentes títulos de Maria, profundamente encarnados na vida e situação do povo. Só para lembrar alguns desses títulos: NOSSA SENHORA DA AJUDA, DO ALÍVIO, DO AMPARO, AUXILIADORA, DOS POBRES, DA BOA MORTE, DO BOM PARTO, DO BOM SOCORRO, DO BOM SUCESSO, DA ESPERANÇA, DA CONSOLAÇÃO, DOS DESAMPARADOS, DESATADORA DOS NÓS, DO DESTERRO, DAS DORES, DA PIEDADE, DA SOLEDADE, DAS ANGÚSTIAS, DAS LÁGRIMAS, DAS SETE DORES, DO CALVÁRIO, DO PRANTO, DOS MÁRTIRES, DA MISERICÓRDIA, DO PERPÉTUO SOCORRO, DOS REMÉDIOS, DA SAÚDE. 

As dores de inúmeras pessoas, espalhadas pelo mundo, suscitam a lembrança de Maria de Nazaré, Mãe de Jesus, morto por tentar abolir todo tipo de violência como a única expressão apropriada da FÉ NO DEUS DA VIDA, presente no cotidiano da humanidade.

O Brasil e o mundo serão muito melhores, quando todos os devotos de Maria nos educarmos para nos tornarmos, cada vez mais, pessoas sensíveis ao sofrimento humano e juntos lutarmos por uma sociedade regida pela partilha, amor e justiça.

sábado, 9 de setembro de 2017

CORREÇÃO FRATERNA

Onde tem relações humanas tem conflitos, seja na comunidade, seja no trabalho, seja na família, e acreditem até mesmo no casamento. 

E em todos os conflitos, não existem inocentes, sempre que alguém brigar com você ou você brigar com alguém, os dois sempre serão culpados. Porque quando um não quer dois não briga.

E ainda em toda a desavença sempre tem três lado, o seu o do outro e a verdade. Pois todo o ponto de vista é visto de um ponto, então sempre lembre de que possibilidade do errado ser você é sempre grande.

Para resolver esses conflitos que fazem parte das relações humanas Jesus nos propõe muito cuidado para corrigir os que erram. Nunca seja através do castigo, e sim, através do amor. Quem ama que não quer ver um irmão se perder, ainda que este irmão tenha errado muito contra ti, sempre devemos acreditar na reconciliação.

É compromisso do cristão, colaborar para que todos se salvem. 

Somos corresponsáveis pelos nossos irmãos. Não podemos deixar de lado, aquele, que na sua fraqueza humana errou simplesmente virar as costas e deixar pra lá, evitar a pessoa dali par frente.

Nossas famílias não podem ser como um amontado de pessoas, que vivem como bem entendem, onde ninguém se interessa pelo o bem do outro. Ser cristão é comungar do mesmo Cristo, amando-nos mutuamente, exercitando o perdão.

Todos nós, temos necessidade de correção, pois não somos perfeitos.

A correção é um ato de amor, difícil de praticar, mas vale a pena, pois com ela podemos salvar um irmão, dar-lhe a chance de reparar o seu erro.

Para ter êxito a correção, depende de nossa postura diante do irmão, nunca como juiz, sempre como enfermeiro. Papa Francisco nos diz: a Igreja não deve ser Juiz a apontar erros, a uma enfermaria que acolhe os feridos. 

O Evangelho de hoje, nos indica alguns passos:

1º - “Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão.” O diálogo, deve ser sempre o primeiro passo, muitas questões se resolvem, através do diálogo, pois dependendo do que ouvimos, podemos perceber que tudo foi um mal entendido, ou um ato impensado. 

Antes porém reza antes pela pessoa, cuide para que no final da conversa a pessoa se sinta mais amada do que antes, pois amor aproxima de Deus e repreensão afasta. 

2º - “Se ele não te ouvir, toma consigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas.” Muitas vezes, os desentendimentos entre os familiares podem ser resolvidos com a ajuda de uma terceira pessoa que nem é daquela família, uma pessoa neutra pode enxergar com clareza a verdadeira causa do atrito que em geral não passam de "picuinhas" bobas. Além de que amigo é remédio para acalmar os ânimos, 

Às vezes o discernimento a dois pode nos convencer, de que não foi tão grave assim, e que vale a pena, manter o convívio com aquela pessoa, pois com o passar do tempo, ela mesmo pode perceber seu erro e se corrigir.

Além do que às vezes somos influenciados por simpatia e antipatia, por isto, é importante, consultar outra pessoa, a respeito do ocorrido.

3º “Se ele não vos der ouvido, dize-o à Igreja”. Dizer a Igreja, é como se dizer: agora, vai depender dele com Deus, pois, humanamente, foi feito tudo o que podia ser feito, só nos resta rezar por ele.

O grande problema, em se tratando de correção, é que muitos de nós, invertemos a ordem dos passos, começando por comentar com os outros, antes de falar com a pessoa. Criando caso antes de dar a chance para a pessoa.

Como Cristão, não podemos desistir do irmão assim tão fácil, e nem ficar assistindo a sua ruína, se podemos fazer algo em seu favor! 



“Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí, no meio deles”. Quando Jesus se faz presente, no meio das pessoas que buscam soluções para determinadas situações, podemos ter certeza: tudo se resolve, tudo tem um final feliz!
Related Posts with Thumbnails